Páginas

F41.1 Ansiedade generalizada

F41.1 Ansiedade generalizada


O transtorno de ansiedade generalizada ou desordem de ansiedade generalizada caracteriza-se por um estado de ansiedade excessiva persistente que não depende do contexto e é desproporcional aos fatos que ocorrem na maior parte dos dias por um período de pelo menos 6 meses. O transtorno é diagnosticado segundo os critérios do DSM-IV.2
Essa preocupação excessiva interfere na vida de quem sofre da doença em diversas atividades (como profissional, social e acadêmica), antecipam desastres e estão superpreocupadas com questões da vida, como saúde, dinheiro, morte, problemas de família, problemas sociais, etc.


Classificação

Além da ansiedade na maior parte dos dias por 6 meses prejudicando múltiplas atividades, o DSM-IV exige 3 ou mais dentre os seguintes sintomas para o diagnóstico em adultos ou apenas mais de um no caso de crianças3 :
Inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da pele
Fadiga
Dificuldade em concentrar-se ou sensações de "branco" na mente
Irritabilidade
Tensão muscular
Perturbação do sono (dificuldades em conciliar ou manter o sono, ou sono insatisfatório e inquieto).
Queixas comuns estão relacionadas com o medo de eventos desastrosos ocorram com entes queridos, com responsabilidades ocupacionais, preocupação com a saúde e por antecipação de eventos desprazerosos como consultas médicas e consertar o carro.3
Para ser diagnosticado a perturbação não pode ser devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (droga de abuso, medicamento) ou de uma condição médica geral (como hipertiroidismo).


Diagnósticos diferenciais

Não deve ser confundido com transtorno do pânico em que a ansiedade é por acreditar estar correndo risco de vida como um ataque cardíaco ou sufocamento.
Caso ocorra simultaneamente com depressão maior passa a ser considerado um transtorno misto ansioso e depressivo. Caso só ocorra associado a eventos sociais, então classifica-se diferencialmente como fobia social. Se estiver associado a pensamentos recorrentes e hábitos reconhecidos como inúteis, mas que o indivíduo não consegue resistir em executá-los repetidamente (como lavar as mãos, trancar portas ou acender e apagar luzes) então classifica-se como TOC.3 o indicado é que as pessoas não façam uso de medicamento sem prescrição médica e acompanhamento de profissionais da área.


Causas

Há uma correlação de 50% entre gêmeos idênticos, 15% entre gêmeos não-idênticos e significativa entre filhos de pais ansiosos indicando que fatores genéticos e psicossociais estão entre as causas do transtorno.1 Alguns estudos identificaram o alcoolismo como causador de ansiedade generalizada. A abstinência prolongada provou-se eficiente para solucionar esses casos.4
Costuma agravar durante eventos estressantes como casamento, divórcio, promoção, demissão, hospitalização de entes queridos, nascimento de filhos e pré-vestibular.
Os medicamentos mais eficientes procuram regular a produção do organismo de serotonina e/ou noradrenalina, ambos neurotransmissores intimamente relacionados com a ansiedade.


Sinais e sintomas


Os principais sintomas do transtorno são:5
"Paranoia";
Boca seca;
Mãos ou pés úmidos;
Enjôos;
Diarréia;
Aumento da freqüência urinária;
Sudorese excessiva;
Dificuldade de engolir;
Assustar-se com facilidade e de forma mais intensa;
Sintomas depressivos.
Pessoas com Transtorno Generalizado de Ansiedade muitas vezes apresentam uma variedade de sintomas físicos, incluindo fadiga, agitação, dores de cabeça, náusea, amortecimentos e formigamentos nas mãos e nos pés, tensão muscular, dores musculares, dificuldade de engolir, falta de ar/dificuldade para respirar, tremores, irritabilidade, transpiração/sudação excessiva, insônia, ondas de calor, coceiras/vermelhidão da pele, dificuldade em se relacionar com outras pessoas ou isolamento social, dificuldade de concentração, desorientação e perda da memória dificultando assim a vida social e operacional do paciente em alguns casos. Para que seja classificado como Transtorno Generalizado de Ansiedade esses sintomas devem ser contínuos e persistentes por pelo menos 6 meses e associado com outros 3 sintomas ansiosos.



Epidemiologia


lguns estudos brasileiros indicam a mesma frequência em homens e mulheres, enquanto estudos internacionais indicam até o dobro de frequência em mulheres com menos de 21 anos, talvez por influência cultural. Atinge entre 3 e 6% da população mundial, chegando a 7 a 10% em idosos.


Tratamento


O tratamento pode ser diferente de pessoa para pessoa de modo a adaptar-se à sua situação e à extensão dos seus sintomas. A comunicação verbal e não-verbal do paciente com o terapêuta é muito importante para definir as possíveis opções de tratamento. Deve haver um acompanhamento regular.


Terapia não farmacológica


Dependendo da situação particular do doente, para o tratamento da ansiedade generalizada podem ser usados métodos como por exemplo:
Psicoterapia
Fototerapia (particularmente em países com baixa exposição solar)
Electroconvulsivoterapia (feita com o paciente anestesiado e inconsciente)
Revisão bibliográfica de 35 estudos indicam que o tratamento mais eficaz e duradouro para transtornos ansiosos é a terapia cognitivo-comportamental, sendo mais eficaz inclusive que tratamentos medicamentosos de primeira linha (como ISRSs). São ainda mais eficazes quando integrados.7
Também há referências a resultados com exercício físico e a treinos de relaxamento como aqueles praticados em Ioga.
 É ainda de referir o forte efeito placebo nos indívíduos que sofrem de desordem de ansiedade generalizada, que pode ser aproveitado como forma de tratamento ao aumentar a segurança e o bem-estar do indivíduo



Terapia farmacológica


Os fármacos de primeira linha no tratamento da desordem de ansiedade generalizada são os antidepressivos (como os ISRS, SNRI ou ISRSN) e as benzodiazepinas. O médico pode optar por outros medicamentos consoante a situação do doente ou a sua experiência. Por exemplo8 :
ISRS - fluoxetina, paroxetina
Inibidor seletivo de recaptação de noradrenalina - venlafaxina
Inibidor selectivo da recaptação da serotonina e da noradrenalina - sertralina
Antidepressivo tricíclicos - imipramina
Benzodiazepínicos - diazepam, bromazepam
Beta bloqueadores - propanolol
Anti-histamínicos



Referências


↑ Ir para: a b Geraldo Possendoro. Transtorno de ansiedade generalizada. TCC para os transtornos de ansiedade.Casa do psicólogo 2007.
Ir para cima ↑ Transtorno de Ansiedade Generalizada. Página visitada em 25/09/2008.
↑ Ir para: a b c d e http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=45
Ir para cima ↑ Cargiulo T (March 2007). "Understanding the health impact of alcohol dependence". Am J Health Syst Pharm 64 (5 Suppl 3): S5–11. doi:10.2146/ajhp060647. PMID 17322182.
Ir para cima ↑ Psicosite - Ansiedade Generalizada. Página visitada em 25/09/2008.
Ir para cima ↑ Xavier F. M. F. et all. Transtorno de ansiedade generalizada em idosos com oitenta anos ou mais. Rev Saúde Pública 2001;35(3):294-302 http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n3/5016.pdf

Ir para cima ↑ Gould, R. A.; Otto, M. W.; Pollack, M. H.; Yap, L. (1997). "Cognitive behavioral and pharmacological treatment of generalized anxiety disorder: A preliminary meta-analysis". Behavior Therapy 28 (2): 285–281. doi:10.1016/S0005-7894(97)80048-2.